quarta-feira, 10 de junho de 2009

Amanhã tem lançamento!

Amanhã é o grande dia do lançamento da Revista Anjos do Picadeiro 7.
Tem texto de André Bueno, Erminia Silva, Adriana Schneider, Evângelo Gasos, e duas belas entrevistas: com o Xuxu e com o Aver Eisenberg que, aliás, é o convidado especial da Noite de Parangolé.

Quinta, 11 de junho, às 20h
Na Fundição Progresso - Lapa


Uma amostrinha - que é pra dar água na boca - da entrevista do Avner:

Márcio Ballas - É um ponto principal, fazer rir?
Avner - É uma pergunta interessante, e uma das mais recentes sobre o palhaço. A relação com a platéia é como uma relação de amor, de início, palhaço e público estão se conhecendo, é a primeira vez, então você quer causar uma boa impressão. Mas se começar a contar um monte de piadas, é demais. É preciso ir devagar, desenvolvendo o interesse. É muito como uma relação amorosa.

Márcio - Você tem mestres que o ajudaram na vida, que o ensinaram, o inspiraram?
Avner - Lecoq, claro, ele é o primeiro. E o Carlos Mazzone, que também foi aluno do Lecoq, e quem começou a Art School of Physical Comedy na Califórnia. Outra influência é Milton H. Erickson, que é da terapia hipnótica, e a filosofia do seu trabalho é incrível. Eu também sou estudante de aikido, o que me ajuda muito na comunicação com a platéia, física e emocionalmente. E estudo mágica, com muitas pessoas... E minha mãe, meu pai...

Márcio - Você conhece o Aziz Gual, do México? Ele tem uma coisa que é interessante: acha que existem diferentes tipos de risada, a risada que vem daqui (cabeça), daqui (peito), daqui (barriga)... O que você acha?
Avner - Eu ri porque lembrei as lições de Carlos sobre aqui, aqui e aqui (cabeça, peito e barriga): em grego, a cerveja é da barriga, o uísque da cabeça e o vinho do coração. Eu acho que a relação com a platéia tem que ser um diálogo com quem você ainda não conhece. É como conhecer uma nova pessoa: se você tem uma idéia, um jeito que quer que ela seja, nunca funciona. Pra mim, esse é o ponto da relação, tem respeito, gentileza e um senso de conforto.
Márcio - O espetáculo que nós vimos ontem, Ecceptions to Gravity, é o mesmo que você me mostrou há 10 anos. Quantos anos ele tem?
Avner - 35 anos. É uma evolução.

Márcio - Eu fico encantado de ver que o espetáculo acontece no momento e é único apesar de ser o mesmo em 35 anos. O relacionamento acontece naquele momento, a brincadeira, o entrosamento entre você e a platéia. Ontem havia 400 pessoas, mais ou menos. Como é representar sem poder olhar nos olhos de cada um da platéia, mas mesmo assim se apresentar de uma maneira tão doce, tão sutil?
Avner - Você finge. Você finge que consegue vê-los, e eles fingem que são vistos. Você interpreta para mil, duas mil pessoas. Como você poderia fazer isso? Bom, as pessoas do fundo vêem um espetáculo diferente daquelas da frente. Essa é a técnica, saber mudar o tamanho. O tamanho da respiração, para que a comunicação vá para todo o teatro. Quando você trabalha com iniciantes, eles dizem que as luzes machucam seus olhos. Bom, se machucam seus olhos, estão no lugar certo mesmo se queixando de não poder ver a platéia. É um constante diálogo, no início da carreira você se esforça, se esforça...e um dia você consegue ver apesar da luz e receber os aplausos.

Márcio - Alguns palhaços pedem muito por aplausos.
Avner - Você não deve nunca, nunca, pedir aplausos. Voltando à nossa analogia: é como estar com alguém pela primeira vez, e ficar querendo que a pessoa te diga o quanto gosta de você. Se fizer isso, ficará sozinho nessa noite. É assim no palco também. Deixe que eles façam o trabalho deles. Se eles gostarem de alguma coisa, irão aplaudir. E aí você agradece.

Márcio - É que às vezes eles podem não aplaudir.
Avner - Mas tudo bem se eles não aplaudirem! É interessante, e se você tem atitude, não importa se eles riem ou não. Eles começarão a ir com você, e então terá risadas. Mas se você disser a eles que precisam rir agora, no momento em que você não está fazendo nada, então não confiarão em você e ficarão longe...

Leia mais na Revista Anjos do Picadeiro 7!

2 comentários:

André Decotelli disse...

Como faço para comprar alguma dessas revistas.
Meu email é decotelli@gmail.com

Aguardo contato!

Pacho disse...

também quero uma... vcs enviam pelo correio???
osborn_goblin@hotmail.com