sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Márcio Libar comenta o Anjos do Picadeiro 7

Comentário 1
Desde a primeira vez que me vesti de palhaço durante um cortejo circense realizado na “ECO 92” até aqui, já se passaram 16 anos, sete edições de Anjos do Picadeiro, seis edições de FESTICLOWN, duas edições do Palhaçada Geral em São Paulo. Enfim , a cada ano surge um novo encontro em algum lugar do Brasil, sem contar com os diversos espetáculos e números que foram criados nesse período, além das diversas publicações sobre palhaço entre livros, revistas e blogs.

Quando comecei não havia nada além de alguns poucos grupos que já se arriscavam nessa linguagem, tendo o Luiz Carlos Xuxu e a Intrépida como pioneiros, Irmãos Brothers. Nesse momento as Marias da Graça e o Anônimo começavam a dar seus primeiríssimos passos nessa direção.

Chegando atrasado ao último debate dos Anjos às 14:00h porque tinha acabado de acordar. Ainda com o olho ardido e o cérebro em marcha lenta, ouvi alguém dizer que os debates teriam que ter horário nobre porque pela manhã ninguém ia e eu era um típico exemplo disso. Não fui a nenhuma das mesas, pois durante os anjos eu me comporto como se fosse carnaval e nunca durmo antes do sol.

Porém, me consolava em pensar o seguinte: Será que todos os fazedores desse ofício, entre criadores, pensadores e eternos aprendizes deram conta de ler tudo que já foi produzido durante esse tempo? Não seria melhor que todos lessem o que já foi publicado ao invés de reivindicar horário nobre para os debates? Eu mesmo ainda não li tudo. Quem já leu? Pra quem produzimos tantos pensamentos?


Comentário 2
Durante a faixa de gaza, vimos um desfile de palhaços vestidos mais ou menos da mesma forma: roupas desajustadas, mas bem acabadas, chapéus de feltro, casacas, sapatões e o indefectível nariz de látex vermelho (pois agora eles são acessíveis). Invariavelmente levam uma malinha, fazem gags, tropeções, às vezes também aparece um girassol, além de usarem um tempo dilatado e lento pra chegarem aonde tem que chegar, como se essa fosse a verdade dessa liguagem.

Naquela noite, os melhores números, coincidência ou não, não se apresentaram dessa forma, como o numero da Odalisca (Fabrício) e o Bin Laden Faquir (Lucas), resultado: triunfo. Em dado momento, Claudio Carneiro, Marcio Ballas e Ésio Magalhães, foram pra fora da lona, ensaiaram um numero em dez minutos. Uma luta de boxe entre um lutador cego, um surdo e o juiz. Resultado: o público acordou de sua sonolência e riu aquilo que ainda não havia rido durante aquela noite.

Porque será que não chamaram a macaca pra eles três? O que realmente interessa ao público quando o palhaço está em cena? Seu figurino, seus desvios e tempo dilatado, suas gags lugar-comum, a concepção artística de seu número, ou o fato de estarem jogando vivo e intenso na cena, no aqui e agora? É pra se pensar, mas eu fico com a última opção. Se estiver tudo junto ainda melhor, mas aí estamos falando de excelência.


Comentário 3
Ainda sobre a Faixa de Gaza. Essa programação é filha da tradicional “Noite dos Renegados”, muito comum nas convenções de malabaristas. Um espaço para aqueles que não participam da programação oficial. Porém, com o tempo, os renegados passaram a considerar esta a sua noite de gala. Inclusive essa era uma piada dos apresentadores que a chamavam de “Faixa de Gala” o figurino preto, fraques e chapéus evidenciavam tal intenção.

Porém, quando surge o elemento da macaca a coisa desanda ainda mais. Pois se na minha crença pessoal o palhaço deve manipular e ter poder sobre o público, durante a faixa de gaza ele está submisso a um público que se dá ao direito de expulsar de cena um número que nem sequer chega a começar. Nesse momento há uma inversão dos papéis e o público passa a controlar os palhaços e é claro, tem prazer nisso.

Por isso usei da minha habitual arrogância, que tenho feito o possível pra controlar na medida em que envelheço, e enrrabei a macaca no picadeiro. Desculpe galera...ela merecia.

Se Faixa de Gaza é uma guerra, então que os apresentadores, macaca, artistas e público estejam preparados para o confronto. Para isso é preciso que tanto o apresentador como a macaca tenham convicções artísticas. Talvez ao ponto de identificar na platéia quem chamou a macaca, dirigir-se a ele e perguntar por que ele acha aquilo, quem na platéia pensa como ele, se o artista pode continuar ou se aquilo é uma manifestação isolada de algum brincalhão e quem sabe fazer a platéia chamar a macaca pra ele.

Seja o que for a Faixa de Gaza comprovadamente, é cada vez menos um espaço para aprendizes. Melhor que volte a ser Noite dos renegados e se crie outro lugar para a galera se divertir no fogo cruzado.

Eu sugiro um jogo que tenho usado nas minhas oficinas que eu chamo. “1 minuto pra gente rir” o sujeito, dupla ou trio, pode fazer o que quiser, até contar piada, desde que o público ria, se ele conseguir seu tento em 10 segundos pode sair e entra o próximo. Em uma hora poderíamos ver mais de 60 tentativas. É dinâmico, divertido e um teste de fogo que une amadores e profissionais. O que acham? Fica a pilha.

Comentário Final
Na edição de 2000 quando escreveu seu polêmico manifesto intitulado “O matador de palhacinhos”, Hugo Possolo pôs a cara às tortas e saiu bastante arranhado no contexto geral, muito embora estivesse sinalizando algo que naquele momento tenha sido bem compreendido por algumas pessoas, inclusive por mim, que apesar de gostar de polêmicas, jamais teria coragem de me confrontar daquela forma, por respeitar as diferenças.

Porém, quase uma década e cinco edições depois fica mais claro para mim aquilo que ele alertava. O que ele queria dizer basicamente era que não adiantava botar um nariz, pintar a cara, usar sapatão, fazer uma voz que não é sua e achar que é palhaço.

A maioria dos melhores números e espetáculos do encontro não utilizava nariz e nem os figurinos convencionais mencionados por Hugo. Chaco, Jango, Avner, Leo Bassi não usam. Mas se percebermos bem, os Irmãos Saúde usam, mas com figurinos que lembram os garis do Rio de Janeiro, a própria Maku utiliza um bem discreto.

Mas o que dizer do Luiz Carlos Xuxu, do Ésio, do Rick e Simi do Lume, do Cuti-Cuti, que partem mais ou menos de uma mesma concepção de costumes. E a Lili do Seres de Luz que usa um nariz vermelho enorme ao lado de Abel que por sua vez abriu mão dessa pequena máscara?

O que eu quero dizer é que o que está em jogo é a capacidade que cada palhaço tem de comunicar sua alma e sua visão pessoal de mundo, de comover. Quando vejo se espalhando pelo Brasil um monte de palhaços iguais uns aos outros, chego a ficar um pouco constrangido e até certo ponto culpado. Penso: caraca! Nós ajudamos a criar essa distorção.

Então para não parecer que estou defendendo este ou aquele estilo, prefiro terminar dizendo que a culpa não é do nariz, pois no final de tudo, o importante é a arte, “A Nobre Arte do Palhaço”. Aliás, quem leu? Dizem que é ótimo.

DESTAQUES
Sempre gosto de destacar o melhor entre os que eu vi e como sempre eu conheço a maioria dos trabalhos que ali estava como Jango, Avner, Chaco, Maku, o italiano Stephano e sua mulher brasileira Rose que triunfaram na Fundição.

Porém meu destaque vai para:

* O número do Guga, o acrobata na gala do Jango
* A brilhante obra dos parceiros do La mínima, sob a fina direção de Álvaro Assad em A Noite dos Palhaços Mudos
* O Espetáculo Noites de Parangolé do Teatro de Anônimo com as brilhantes participações de Silvia Machete, Claudio Carneiro e Sergio Sergio.
* A Noite de Gala dirigida por Hugo e Álvaro Assad na Lona Crescer e Viver (votando em causa própria)
* E o prêmio revelação vai para: Átila, o príncipe da brutalidade com o Fabrício Dornelles e direção de Sérgio Sérgio.

6 comentários:

Vinnyl 69 Produções disse...

Oi Márcio!

Comecei na palhaçaria, como aprendiz de palhaço, que ainda sou com você, há três anos atrás e assim como um aprendiz e seu mestre, acho sinceramente que posso lhe responder algumas coisas que coloca em seus comentários e como diria, Jack, o estripador: "vamos por partes":

Quanto ao comentário 1, assino embaixo e acho que a memória é algo que sempre deixamos para trás, como última tarefa. É um patrimônio em que os realizadores são responsáveis por aquilo que fazem e tornar acessível para consulta e estudo é fundamental importância e não só o que diz a respeito de nós mesmos, mas tudo o aquilo que contratamos e somos responsáveis por produzir enquanto curadoria, produção e realização.

Quanto ao comentário 2. É isso! A Faixa de gaza é sempre uma forma dos mais corajosos e loucos, tendo habilidades artísticas ou não de se apresentarem e testarem sua habilidade de jogo com a platéia. É sempre divertido, seja lá os problemas que tiverem, o mundo não é perfeito. É ótimo termos grandes palhaços que admiramos se divertindo ou não com as pessoas que estão alí se apresentando e uma oportunidade única também, já que normalmente estão ocupados com o seu fazer ao longo do ano.

Quanto ao comentário 3 e quanto a sua frase: "Seja o que for a Faixa de Gaza comprovadamente, é cada vez menos um espaço para aprendizes". Se este não é o espaço para aprendizes". Quer dizer que não vai haver espaço para aprendizes, Sr. Márcio Libar. Eu não entendo o que diz. O lugar para profissionais, ou seja lá como você chamar já são os espetáculos convidados de rua, tatro e gala, que ao meu ver, são excelentes.

O espaço da Faixa Da Gaza é de todos e é de quem ocupar é de quem não tem medo de cair e fazer o que se quer. E quanto a sua frase: "Para isso é preciso que tanto o apresentador como a macaca tenham convicções artísticas. Talvez ao ponto de identificar na platéia quem chamou a macaca, dirigir-se a ele e perguntar por que ele acha aquilo, quem na platéia pensa como ele, se o artista pode continuar ou se aquilo é uma manifestação isolada de algum brincalhão e quem sabe fazer a platéia chamar a macaca pra ele.", eu lhe pergunto: "Então, porquê não foi o Sr. fazer isso, hein?". É bem fácil falar depois que foi realizada. Seria interessante, você dar esse toque para as pessoas que fizeram a faixa de gaza, antes de realizar na cochia, para que então pudessemos colocar em prática essa "grande sacada", ou melhor ainda, escreve um guia e prega na parede da próxima faixa de gaza, com orientações de como proceder e não esqueça da claúsula de incêndio, de evacuar em calma.

E por fim uma coisa: "O que eu quero dizer é que o que está em jogo é a capacidade que cada palhaço tem de comunicar sua alma e sua visão pessoal de mundo, de comover. Quando vejo se espalhando pelo Brasil um monte de palhaços iguais uns aos outros, chego a ficar um pouco constrangido e até certo ponto culpado. Penso: caraca! Nós ajudamos a criar essa distorção". Que distorção cara? Isso se chama aprendizagem e você pode responder por você mesmo e sua bagagem cultural e histórica bem contundente e talvez um pouco pelo seu jeito de sentir as coisas do público, mas não pode responder por todos. Deixa disso, a última reunião do Anjos falava sobre isso, que devemos de pensar e falar menos sobre o que gostamos ou não gostamos e sim colocar questões que refletem a todos nós, enquanto palhaços, seja ruim, bom, engraçado ou não engraçado. Que força temos nesse mundo e o que podemos fazer ao mundo para melhorá-lo? Como disse o Jango em sua oficina: "Todos os palhaços estão subindo a montanha e quando você encontrar com um palhaço no meio do caminho, jamais diga que ele está indo para o caminho errado. Ao invês disso, diga: Te vejo lá em cima".

Por isso, vejo você lá em cima, mêssie e lembre-se: "O tempo não espera por ninguém".

Grande Abraço e um FELIZ NATAL!
Do seu aprendiz,
Looooongo, palhaço

Marcio Libar disse...

Vamos lá meu caro LOngo

Antes de mais nada quero te parabenizar pela coragem de seus comentários, pois é alimentando o debate que podemos avançar. Vou tentar comentar seus comentários, sem a minima intenção de justificar minhas posições e sim corroborá-las no sentido de tentar me fazer ainda mais claro.

VOU TENTAR RESPONDER EM CIMA DO SEU COMENTÁRIO EM MAIÚSCULO.

Oi Márcio!

Comecei na palhaçaria, como aprendiz de palhaço, que ainda sou com você, há três anos atrás e assim como um aprendiz e seu mestre, acho sinceramente que posso lhe responder algumas coisas que coloca em seus comentários e como diria, Jack, o estripador: "vamos por partes":

Quanto ao comentário 1, assino embaixo e acho que a memória é algo que sempre deixamos para trás, como última tarefa. É um patrimônio em que os realizadores são responsáveis por aquilo que fazem e tornar acessível para consulta e estudo é fundamental importância e não só o que diz a respeito de nós mesmos, mas tudo o aquilo que contratamos e somos responsáveis por produzir enquanto curadoria, produção e realização.

Quanto ao comentário 2. É isso! A Faixa de gaza é sempre uma forma dos mais corajosos e loucos, tendo habilidades artísticas ou não de se apresentarem e testarem sua habilidade de jogo com a platéia. É sempre divertido, seja lá os problemas que tiverem, o mundo não é perfeito. É ótimo termos grandes palhaços que admiramos se divertindo ou não com as pessoas que estão alí se apresentando e uma oportunidade única também, já que normalmente estão ocupados com o seu fazer ao longo do ano.

TAMBEM ACHO. MAS NÃO SE ESQUEÇA QUE TODA AÇÃO GERA UMA REAÇÃO E QUANDO ESSA AÇÃO É ARTÍSTICA O NOME DADO A ESSA REAÇÃO É: CRÍTICA.

Quanto ao comentário 3 e quanto a sua frase: "Seja o que for a Faixa de Gaza comprovadamente, é cada vez menos um espaço para aprendizes". Se este não é o espaço para aprendizes". Quer dizer que não vai haver espaço para aprendizes, Sr. Márcio Libar.

POSSO PERCEBER PELO SEU TOM A INTENÇÃO DA PROVOCAÇÃO...MAS VOCÊ QUE ME CONHECE E SABE DA MINHA TRAJETÓRIA, POR ACASO ESTÁ SUGERINDO QUE EU ESTEJA QUERENDO EVITAR APRENDIZES??? PIROU VÉIO?



Eu não entendo o que diz. O lugar para profissionais, ou seja lá como você chamar já são os espetáculos convidados de rua, tatro e gala, que ao meu ver, são excelentes.

O espaço da Faixa Da Gaza é de todos e é de quem ocupar é de quem não tem medo de cair e fazer o que se quer.

TAMBÉM ACHO, POR ISSO DISSE QUE ELA DEVERIA VOLTAR A SE CHAMAR NOITE DOS RENEGADOS, POIS ASSIM ESTARIA EM TOTAL COERêNCIA COM ISSO QUE VOCÊ DISSE ACIMA. É ESSE O ESPIRITO.

SE VOCÊ LER ATENTAMENTE, VERÁ QUE EU SUGERI NA FAIXA DE GAZA UM ESPAÇO PARA OS FAZEODORES, UMA PROGRAMAÇÃO QUE REÚNA TANTO PROFISSIONAIS COMO INICIANTES. PRA TE LEMBRAR, COPIO "(...)Em uma hora poderíamos ver mais de 60 tentativas. É dinâmico, divertido e um teste de fogo que UNE AMADORES E PROFISSIONAIS. O que acham? Fica a pilha"

E quanto a sua frase: "Para isso é preciso que tanto o apresentador como a macaca tenham convicções artísticas. Talvez ao ponto de identificar na platéia quem chamou a macaca, dirigir-se a ele e perguntar por que ele acha aquilo, quem na platéia pensa como ele, se o artista pode continuar ou se aquilo é uma manifestação isolada de algum brincalhão e quem sabe fazer a platéia chamar a macaca pra ele.", eu lhe pergunto: "Então, porquê não foi o Sr. fazer isso, hein?".

PORQUE TENHO CONVICÇÕES ARTISTICAS, PORQUE SOU BRINCALHÃO, PORQUE ALEGRIA DE PALHAÇO É VER O CIRCO PEGAR FOGO, PORQUE GOSTO DE VER SE O PASPALHO VAI SE VIRAR OU VAI QUERER SEGUIR VAIDOSAMENTE COM O ROTEIRO...A REGRA NÃO É ESSA? ENTÃO...

É bem fácil falar depois que foi realizada. Seria interessante, você dar esse toque para as pessoas que fizeram a faixa de gaza, antes de realizar na cochia, para que então pudessemos colocar em prática essa "grande sacada",

JAMAIS ME DARIA A LIBERDADE DE FAZER ISSO POR NÃO ESTAR NA DIREÇÃO DA NOITE, POR NÃO TER SIDO CONSULTADO. DE MAIS À MAIS NÃO GRANDE SACADA JA VIVENCIEI ALGUMAS FAIXA DE GAZA NESSE MOLDE, JA FOI MAIS ESPONTÂNEA E MELHOR...PORÉM, DESDE O ANJOS DE SALVADOR ANO PASSADO QUANDO ELA COMEÇOU A SE CONFUNDIR COM A PROGRAMAÇÃO OFICIAL COMEÇOU A DISTORÇÃO A QUAL ME REFIRO...

ESSE INCOMODO NÃO É SÓ MEU PARCEIRO...É SÓ PERGUNTAR AOS PROGRAMADORES E ELES TE DIRÃO QUE FIZERAM A MESMA AUTOCRITICA E ANO QUE VEM A FAIXA DE GAZA CORRE O RISCO DE DESAPARECER DA PROGRAMAÇÃO OFICIAL OU SE TRANSFORMARÁ EM OUTRA COISA

MAS ISSO NÃO IMPEDE QUE A NOITE DOS RENEGADOS SE REALIZE, DE FORMA MAIS AUTONOMA, INDEPENDENTE E REALMENTE EM OFF, COMO SEMPRE FOI, E QUANDO ELA É MELHOR SEMPRE.


ou melhor ainda, escreve um guia e prega na parede da próxima faixa de gaza, com orientações de como proceder e não esqueça da claúsula de incêndio, de evacuar em calma.

ESSA IRONIA VOU CONSIDERAR UMA PIADINHA, VALEU???

E por fim uma coisa: "O que eu quero dizer é que o que está em jogo é a capacidade que cada palhaço tem de comunicar sua alma e sua visão pessoal de mundo, de comover. Quando vejo se espalhando pelo Brasil um monte de palhaços iguais uns aos outros, chego a ficar um pouco constrangido e até certo ponto culpado. Penso: caraca! Nós ajudamos a criar essa distorção".

Que distorção cara? Isso se chama aprendizagem e você pode responder por você mesmo e sua bagagem cultural e histórica bem contundente e talvez um pouco pelo seu jeito de sentir as coisas do público, mas não pode responder por todos.

NÃO FALO POR NINGUEM, ESSA FALA É DE UMA PESSOA QUE SABE BEM A SUA RESPONSABILIDADE NA CONSTRUÇÃO DESSE SABER...SE VOCÊ LER BEM, ESTOU FAZENDO UMA CRÍTICA A MINHA GERAÇÃO E UMA AUTOCRÍTICA

Deixa disso, a última reunião do Anjos falava sobre isso, que devemos de pensar e falar menos sobre o que gostamos ou não gostamos e sim colocar questões que refletem a todos nós, enquanto palhaços, seja ruim, bom, engraçado ou não engraçado.

É JUSTAMENTE ISSO QUE EU QUERO DIZER: O QUE É DITO NUMA REUNIÃO DO ANJOS VIRA ESTATUTO? VIRA REGRA A SER SEGUIDA? ESTAMOS VIRANDO UM SINDICATO, UM PARTIDO,UMA RELIGIÃO, OU SOMOS ARTISTAS COMPROMETIDOS COM A LIVRE EXPRESSÃO DE PENSAMENTO...

A PARTIR DE AGORA TODOS DEVEMOS FECHAR UMA POSIÇÃO EM TORNO DO QUE FOI DITO???
SE VOCE LER BEM O QUE EU QUIS DIZER, É JUSTAMENTE ESSA VISÃO QUE CRITICO...


Que força temos nesse mundo

SERMOS CRIATIVOS, LIVRES, IRRESPONSÁVELMENTE RESPONSÁVEIS, CONTRADITÓRIOS, PROVOCADORES, INCONFORMADOS, LOUCOS APAIXONADOS, ITINERANTES, COMUNICADORES DE EMOÇÕES, DE VISÕES PRATICULARES DE MUNDO...ETC, ETC, ETC...

e o que podemos fazer ao mundo para melhorá-lo?

SENDO AQUILO QUE SOMOS JA É UMA BOA ORIENTAÇÃO...CADA VEZ MENOS QUERO SER PROMOTOR OU SEGUIDOR SE VERDADES ABSOLUTAS...ATÉ PORQUE FUI ASSIM A VIDA TODA...MAS AINDA ACREDITO PODER FAZER UM COMENTÁRIO RELATIVO A PROGRAMAÇÃO DE UM EVENTO QUE EU AJUDEI A CONCEBER...QUEM ME TIRARIA ESSE DIREITO E ESSA LIBARDADE? VOCÊ, LOGO VOCÊ?



Como disse o Jango em sua oficina: "Todos os palhaços estão subindo a montanha e quando você encontrar com um palhaço no meio do caminho, jamais diga que ele está indo para o caminho errado. Ao invês disso, diga: Te vejo lá em cima".

E SE EU RESOLVER TRANSGREDIR ESSA REGRA UMA VEZINHA, PODE? O SR. ME PERMITE? AH TAH...VALEU

Por isso, vejo você lá em cima, mêssie e lembre-se: "O tempo não espera por ninguém".

CONFESSO NÃO TER COMPREENDIDO ESSA METÁFORA DO TEMPO E NEM A QUE OU A QUEM ELA SE APLICA...MAS JA QUE o tempo NÃO ESPERA, VAMOS COMEÇAR A CORRER, MAS VAI NA FRENTE QUE EU JA TO MEIO CANSADO...A GENTE SE VÊ LÁ EM CIMA...

Grande Abraço e um FELIZ NATAL!
BOM ANO PRA VOCÊ TAMBEM MEU AMIGO

Do seu aprendiz,
Looooongo, palhaço

COM ADMIRAÇÃO CARINHO E RESPEITO
MARCIO LIBAR

Joana disse...

Uhu! O bicho tá pegando gostoso! ;)

Talita Melone disse...

"Caminhantes não há caminho ,sim caminhar"Che.
Frases a parte,gostaria de registrar aqui minha humilde e interiorana ,porém prepotente opinão de me unir a vocês:TUDO VALE A VALE A PENA SE ALMA NÃO É PEQUENA.opS,outra frase mas foi isso que me veio quando li os comentários do Márcio:onde tá o raio desta alma?Sim ,não resolve nadinha figurino,nariz da lojinha,oficina ,etc...eu bem sei disso.Mas...quem vai dizer que a gente não pode tentar?Do que seria o Anjos sem essa legião de devotos?Como iria dar tanta midía?Como que ia trazer a galera de fora?Chegar ao que chegou?è o monstro da globalização se produz muito lixo,mas a lótus vem do lodo...
ESSE EVENTO/ENCONTRO/FESTIVAL é o que ha´pra um monte de gente como eu e mais umas 15 cabeças que fomos de Friburgo pra'í ,é a hora que a gente sente:"SOMOS DESSA GALERA,NÃO TAMOS SOZINHOS".Isso por que vivemos dessa ARTE sendo genias ou simpelsmente esforçados,comemos quando o cachê vem,somos aplaudidos por nossas tentativas por um público que não entende nada dessas discussões.
E gente , ser palhaço é POP-ULAR . Caiu na boca do povo e muita gente tá vivendo disso,por isso.Lembro de uma vez numa oficina em que o ministrante disse:"Os artistas de rua nas feiras da idade média não fazim seus números para serem lembrados,mas paa garatir o seu pão.Faça o melhor possível para isso!"
SEi lá posso ter viajado,mas acho q vale a visão de quem tá de um outro lado da história.Quem sabe nem todos tenham subir o "rai"da montanha,tem tanta colina,encosta,outros caminhos que naturalmente se darão.
Aos dois amigos amigos de fé da Familia Clou um abraço,
Talita

MCestari disse...

Enfim criei tento e vontade. Nao que me tenha faltado vontade mas o ser palhaco se exime de toda e qualquer vaidade. Bem e verdade que a gente so engana uma pessoa. E e so por isso que acreditam na gente. Porque a gente mente pra gente mesmo, acredita, cai, se da mau, se esvai em um choro infinito, pula, grita, sacoleja, e mais uma vez…
…se e enganado por si mesmo proprio.

E pra cada mentira dessas existe uma verdade. Uma unica verdade para cada unica pessoa que esteve presente em tal qual unica apresentacao.

Isso nao se repete. Nem pro palhaco. Nem pro publico.

Viver aquilo faz a toda diferenca. O que vem depois e so um a mais depois do que antes foi, do que antes viveu. Acontecido foi.

Prazeres;…
Marcos Cestari

Seguirei o Indice do Post, o Tema do Post, nao necessariamente, o Post. Tambem nao acentuarei nada, como o ja o nao fiz, pois estou em Terra Estrangeira, que se “Exempliscara” no decorrer…

COMENTARIO I

Meu primeiro Anjos do Picadeiro. Palhaco e bem recente, coisa de dois anos, mas dois anos intensos. Marcio Ballas, Silvia Leblon, “Esio”,…
…me envolvi, conheci, venho aprendendo e conhecendo cada vez o nobre fato. Ser Palhaco, e Simplesmente Ser e Estar. Coisa que a tempos se perdeu no tempo. No tempo em que o Ser e o Humano caminhavam juntos.

E ai vem a tal coisa do palhaco que se faz viver pelo simples fato de respirar e aceitar o mundo e as coisas da Terra. Decidi que era essa vida que queria, me matriculei no Guga, na Sue Morrison no Canada, so que…
…eu era 100% firrrma, carteira assinada, estrada de carreira e quetais.

Eis que duas semanas antes do Anjos fui demitido com Merito e Competencia pela crise. E recebi tudo $$$...

Anjos e Sue Morrison no Canada.

Tambem vi o dia nascer todos os dias e faco uma menagem dos recem chegados…

Paragrafo de um Estreiante

Meu, nao que seja o certo ou o errado, mas a forca da expressao vale mais do que o fato descritivo em si. Enchi a cara com pessoas que eu achava que eram ate entao intocadas e meu…
…isso e aceitacao(tive ate um momento japa fa com o Simi e o Marcio Ballas hehehe). (ahhh, com o Libar tb hehehe)…

ADENDO

Libar, como posso ter acesso ao material ao qual citou??? Sou palhaco CDF rsrsrs…LUME, coming soon…

COMENTARIO II

Faixa de Gaza, so em um encontro de Palhacos no Rio mesmo pra isso virar uma metafora do proprio estado de emergencia que a gente RG, cidade, estado, pais, continente, hemisferio, lado esquerdo do Google Earth, mundo, via leite, universo, GOOGLE….
…vivemos.

Meu, voltei a pe e aquilo pra mim foi o anjos. Momento paga pau. Quando eu vi tava eu, o esio, o ballas, o carneiro, o simi e mais um povooo, pra parar no bar das quengas e sentar do lado do tal do marcio libar hahahaha…
…e delirar chamando o marcio, e os dois olharem parando a conversa haha…

Faixa de Gaza nao e oportunidade e virtuosismo da Macaca. E se for pra Macaca ser a Estrela que a luta seja de igual pra igual. Se e palhaco de verdade a Macaca segura a onda do Publico. Sinceramente ao meu ver, existe um julgamento…

…a Macaca tem que ser um puta Olhar. Olhar de Palhaco. O Publico e de Palhaco. Digo aquele olhar que ao mesmo tempo avalia uma possibilidade de numero bom, que uns poucos conclamaram a Macaca, e ARREGACA com esses poucos no universo do palhaco;
; ou se a coisa e ruim mesmo, transforma aquilo numa aula e faz a galera ir ao extase com o improviso do que e realmente ser palhaco.

Meu, imagina um bom palhaco ali. Ia mais que julgar, ia nos ensinar a olhar e apreciar as coisas antes do julgar. Imagina voce ali Libar, imagina o Esio…
… isso sim seria uma faixa de gaza.

Ou se sustenta pelo proprio numero proposto; ou a gente aprende algo com o fracasso. Isso pra mim e aprender a ser Palhaco.

ps comentario dois: meu futuro amigo e colega eterno de varias discussoes de bar… cuidado com o nariz de latex que todo mundo tem. Atente-se ao fato da crenca de que cada um tem por tal nobre artefato; latex, borracha, bolacha ou mesmo sem. Tenha quem o respeita e tem.

COMENTARIO III

Boa Parte no Item acima mas Libar; permita-me um palpite. Hum minuto pra se fazer sentir, para estabelecer um vinculo, para trocar energia, para se apresentar…
…fazer Rir ao meu ver e muito vulgar, nao e Palhaco. Eu fiquei triste quando te vi.
Pra isso sugiro um Palhaco Bom de Macaca, e ela decide e toma partido de um ou outro Lado; cada um que se defenda. E se for pra Macaca agir, meu, vai…
…muita firula, se e pra mandar pras picas o numero, arregaca.

Meu, e olhar. Macaca, olho pra vc e pra mais tres, sei se e pra continuar ou fuzilar. E simples.

COMENTARIO FINAL

Meu, nao, nao, nao………..
Para, Para, Para………..

Muita avaliacao do que e e do que pode ser.
Culpa, nao, sem essa palavra, culpa…

Oficina de Palahaco e Terapia de Gente In. O que mais se ve e gente fazendo terapia em oficina de palhaco. E convenhamos, pra banalizacao da cultura nao tem coisa melhor que terapia de artista. E tipo reformatorio, repetencia ….

…a, nao deu certo??? Vai buscar seu Clown… hahahaha
_Meu, voltei maior bem. Achei meu palhaco dentro do eu mim mesmo hahaha

E ai vai…

O circo, o palhaco mostra o caminho e sabe exatamente com quem ele ira contar e quem o abandonara pelo caminho. A experiencia e o que conta na aceitacao plena e no…
_ahhh, cola ai e faz a oficina qu8e vc vai gostar.

Quando sobra hum e pra guardar bem guardado.

Putz, quanto ao livro, comprei das maos do proprio, autografado na capa, mas ainda nao terminei. Queria entrar em contato com o autor, e queria causar uma boa impressao.
Tem um resumao ai???

DESTAQUES SEM cOMPROMISSo

La Minima: do tudo que tenho visto, beira ao meu gostar, a perfeicao daquilo que nunca esperava poder ser perfeito. Mas perfeito diferente dia apos dia. Isso e palhaco.

Avner: Quem nao se apaixonou por ele? Ser simples nao significa o que eu vou fazer; mas o como eu vou fazer. To ate hoje tentando equilibrar um guardanapo no nariz hahaha…

Jango: Psicopata de Plantao. Isso e aula do limite do palhaco. Sera que tem???

O Esio e a Andrea: Pena que a gringaiada num entende, pq quebra muita gente.

GUGA: Cascata e riso imediato quando bem feita. E o cara e muito foda. Ja tinha visto no ENCONTRO DE LONAS, fiz oficina com ele e mesmo assim surpreendeu HAHAHAHAHA….


Meu, beijos mil a voces, e saibam. Se tivesse ja lido a Nobre arte; teria pedido um autografo a cada um dos anonimos pois ao meu ver e um livro coletivo escrito por um palhaco.

Muito Amor a todos, quando voltar da Terra passo no Rio pra conhecer na Palavra Falada aos Demais Anonimos.

All my LO!VE

Marcos cestari

Monkey disse...

Para aqueles que estão em crise com o seu nariz, sugiro um novo Hobbie - Profissão. Que tal Jardinagem, Agricultor... pois botando a mão na massa (terra) derrepente nasce a Tal Flor no Coração, e que em épocas de crise melhor seria a tal Couve - Flor, afinal no futuro eu vou lhe perguntar vc tem fome de que???
Eu tenho sede do Suco da Luz do Sol!!!